eco productsparaben free

Quais produtos podem conter parabenos?

  • desodorantes e antitranspirantes
  • shampoos e condicionadores
  • espumas para banho
  • pastas de dente
  • cremes e protetores solares
  • cosméticos
  • medicamentos
  • aditivos alimentares

Impacto sobre a Saúde

A princípio, o parabeno tem indícios de toxidade para os humanos. Eles já foram detectados em células tumorais, o que leva os cientistas a acreditarem na possibilidade dele causar danos ao corpo. Dentre eles, o câncer de mama e outros tumores.

De acordo com a União Europeia, alguns produtos não podem mais ter parabenos. Por sua vez, outros podem ter um valor limitado do ingrediente.

No entanto, é importante ressaltar que o uso de parabenos em cosméticos é considerado seguro, embora vários estudos tenham demonstrado o alto risco de danos e sensibilização da pele de várias entidades. Principalmente com o uso prolongado por muitos anos.

Esse ingrediente é utilizado na indústria há mais de 50 anos, estando presente em mais de 3600 produtos. Além disso, esse ingrediente é rastreável na urina e através de exames de sangue, de modo que podem ser potencialmente prejudiciais à saúde, uma vez que o corpo humano é capaz de absorvê-los, metabolizá-los e eliminá-los.

Além dos possíveis danos mencionados acima, você também pode se deparar com os efeitos colaterais às vezes graves. Isto porque, uma vez que eles estejam em quantidade significativa no produto, como em uma loção corporal, a pela humana é capaz de absorvê-la.

A alergia é um exemplo. Ela ocorre principalmente em indivíduos já sensibilizados e o risco é maior quanto mais contato houver com a pele ou a mucosa intestinal. Reações adversas a medicamentos contendo parabenos também não devem ser excluídas. Desodorantes com parabenos aplicados sob as axilas e algumas loções ricas em parabenos podem causar irritação na pele ou nos seios.

Além disso, o medo dos cientistas é que eles possam causar uma diminuição na contagem de espermatozoides, aumentando também o risco de câncer de mama ou de testículo masculino.

Eles também poderiam causar desequilíbrios glandulares e assim perturbar o sistema endócrino. A maioria dos produtos de beleza, no entanto, contém quantidades mínimas de parabenos, portanto, não devem ser um perigo.

Fonte: Pacienti

Impacto Ambiental

De acordo com uma investigação publicada em Ciência e Tecnologia Ambiental, quantidades significativas de parabenos se acumularam nos tecidos de mamíferos como golfinhos, lontras marinhas e ursos polares, uma presença - atribuível a causas antropogênicas - que se assemelha à dos poluentes industriais.

Isso ocorre quando nosso condicionador de cabelo ou produtos de beleza acabam no ralo, depois nos esgotos e finalmente em contato com a fauna e a flora. E, embora a literatura científica sobre o assunto ainda não seja tão extensa, acreditamos que dificilmente esses ingredientes serão benéficos a natureza.

Estudos anteriores já investigaram os efeitos dos parabenos sobre a saúde dos animais que entram em contato com eles, descobrindo que (junto com seus subprodutos) uma vez no corpo eles se comportam como estrogênio, hormônios esteroides, normalmente responsáveis por comportamentos e mudanças relacionadas principalmente à esfera da reprodução. Mas no caso dos estrogênios não produzidos pelos próprios animais, as consequências são diferentes: um exemplo são as utilizadas na criação de animais para aumentar o rendimento da carne.

Estudando 121 amostras de tecido retiradas de oito espécies diferentes de mamíferos marinhos das águas costeiras da Flórida, Califórnia e Alasca, pesquisadores liderados por Kurunthachalam Kannan identificaram o metilparabeno (um antifúngico e conservante alimentar) na maioria deles, enquanto cada uma das 121 tinha vestígios de um de seus metabólitos, resultado da absorção do parabeno pelo organismo: 4-HB, ácido 4-hidroxibenzóico.

Se houvesse vestígios mínimos de metilparabeno em ursos polares, ele subia para milhares de nanogramas de 4-HB por grama de tecido de golfinhos ou lontras marinhas. Uma correlação, a presença de metilparabeno e um de seus metabólitos, que convenceu os cientistas de que a origem desta substância é uma fonte sintética. Por enquanto, dizem os cientistas, os riscos para os animais expostos permanecem pouco claros.

Fonte: OggiScienza e ACS Publications

Parabenos existentes na Europa

  • Methylparaben (E218 ed E219),
  • Propylparaben,
  • Isobutylparaben,
  • Ethylparaben,
  • Butylparaben,
  • E216,
  • Calciumparaben,
  • Sodiumparaben,
  • Potassiumparaben

Parabenos proibidos na Europa

  • Isopropylparaben,
  • Isobutylparaben,
  • Fenilaraben,
  • Benzylparaben,
  • Pentilparaben,

Estúdios e fontes

Os dados podem ser lidos no parecer 1514/13 do SCCS sobre Propil e Butil parabeno, 3 de maio de 2013; em particular Chen J, Ahn KC, Gee NA, Gee SJ, Hammock BD, Lasley BL (2007). Propriedades antiandrogênicas de parabenos e outros fenólicos contendo pequenas moléculas em produtos de cuidados pessoais. Toxicol Appl Pharmacol. 221 (3): 278-84.

saibamais

2021-04-16

Acúmulo de parabenos prejudica vida marinha!

Saiba os motivos que fazem dos parabenos inimigos da vida marinha. Resumo: A ampla exposição de humanos aos parabenos presentes em produtos de higiene pessoal é bem conhecida. No entanto, […]